Bahia tem 31 profissionais de saúde infectados por HIV e hepatite após acidentes ocupacionais

Em 2015, acidentes ocupacionais infectaram com o vírus do HIV e da hepatite 31 trabalhadores da área de saúde na Bahia. Os dados são do Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação), vinculado ao Ministério da Saúde. De acordo com a enfermeira e especialista em Controle de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde da empresa Sol-Millennium, Karine de Araújo, o número é considerado elevado, mas pode ser agravado se considerado os casos não notificados. “O que a gente tem notificado é 31, mas se fizer conta com 91% que não são notificados, esse número aumenta muito”, afirmou ao Bahia Notícias, antes de realizar uma palestra para funcionários de saúde das redes pública estadual e municipal de saúde. O encontro “NR-32 e prevenção de acidentes com material biológico: impacto na utilização de dispositivos de segurança” foi realizado no dia 2 de março, no Fecomércio.
“Está tendo muito acidente com perfuro[cortantes], muitos hospitais ainda não estão seguindo a norma de segurança do trabalho [a NR-32] e, por não seguirem, nossos profissionais estão expostos, usando seringas e agulhas comuns”, explicou. De acordo com a especialista, o ideal é que os profissionais de saúde utilizem equipamentos e medidas de segurança, por exemplo, uma seringa que não permite o contato com a agulha contaminada. “O preço é um pouco maior, porém, quando vê os benefícios, o preço é um investimento. Um profissional doente gera um custo para a instituição, fora o fator emocional. Quando profissional tem acidente com agulha ou seringa contaminada, ele precisa ser afastado, tomar medicação, profilaxia. Isso gera um transtorno enorme e ele corre risco de contrair HIV, hepatite, mais de 20 patologias transmitidas pelo sangue”, acrescentou.
Os riscos ainda esbarram no desrespeito dos hospitais à Norma Regulamentadora 32, que estabelece as diretrizes básicas de implementação das medidas de proteção à segurança e à saúde dos trabalhadores. Além disso, o Ministério Público do Trabalho, competente na fiscalização e até punição das unidades que cometem tais irregularidades, não acompanha a situação com frequência. “O hospital fica esperando a fiscalização, levar advertência para depois procurar se adequar à norma, sendo que deveria ser pensado não seguir a norma, mas proteger a saúde do trabalhador, que está na linha de frente, mas adoece na sua profissão”, acrescentou. A Sesab (Secretaria da Saúde do Estado) foi procurada para confirmar os dados, mas até o fechamento da reportagem não tinha informações sobre o assunto.
Fonte: Bahia Notícias

 
UOL Web Hosting | TST Service - Trabalho, Segurança e Treinamentos - (74) 3622-2011 TST Service | 2010 Acesse já www.tstservice.com.br